Mensagens de Otimismo

Podemos construir um mundo melhor!

Arquivo para o mês “abril, 2014”

Oferendas

quadrodeavisos1

As criaturas humanas vão sempre bem na casa farta, ante o céu azul. Entretanto, logo surjam dificuldades, ei-las à procura de quem as substitua nos lugares de aborrecimento e dor. Muitas vezes, pagam preço elevado pela fuga e adiam indefinidamente a experiência benéfica a que foram convidadas pela mão do Senhor.

Em razão disso, os religiosos de todos os tempos estabelecem complicados problemas com as oferendas da fé.

Nos ritos primitivos não houve qualquer hesitação, perante o sacrifício de jovens e crianças.

Com o escoar do tempo, o homem passou à matança de ovelhas, touros e bodes nos santuários.

Por muitos séculos perdurou o plano de óbulos em preciosidades e riquezas destinadas aos serviços do culto.

Com todas essas demonstrações, porém, o homem não procura senão aliciar a simpatia exclusiva de Deus, qual se o Pai estivesse inclinado aos particularismos terrestres.

A maioria dos que oferecem dádivas materiais não procede assim, ante as casas de fé, por amor à obra divina, mas com o propósito deliberado de comprar o favor do céu, eximindo-se ao trabalho de auto-aperfeiçoamento.

Nesse sentido, contudo, o Cristo forneceu preciosa resposta aos seus tutelados do mundo. Longe de pleitear quaisquer prerrogativas, não enviou substitutos ao Calvário ou animais para sacrifício nos templos e, sim, abraçou, ele mesmo, a cruz pesada, imolando-se em favor das criaturas e dando a entender que todos os discípulos serão compelidos ao testemunho próprio, no altar da própria vida.

Texto do livro Pão Nosso – pelo Espírito Emmanuel por Francisco Cândido Xavier

Anúncios

Esforço!

formiga

Por vezes, na vida, ante alguns fracassos, nos entristecemos e desistimos de lutar.

Tarefas iniciadas são abandonadas. Profissões dignas são deixadas à margem.

Tudo em nome de um fracasso, um dia, uma vez.

Recordamos que, certa vez uma estudante de violino, durante um concerto, teve a infelicidade de ter o arco do instrumento esticado em demasia.

Isso fez com que arrancasse do violino um lancinante gemido de gato. O lá desafinou, os seus dedos, umedecidos pela transpiração nervosa escorregaram no braço do violino.

Seu desejo era cair morta.

Mas corrigiu a tensão das cordas, enxugou as mãos no vestido e continuou.

Ao finalizar correu para os bastidores e exclamou: “Nunca mais tocarei violino.”

Uma excelente artista que ouviu seu desabafo, lhe falou: “Você já observou como cantam os pássaros? Sabe porque Deus os criou? Para que alegrassem o homem e ele não sucumbisse à tristeza.

Não vê? Deus deu a muitas pessoas aptidões para tornarem os homens felizes. Ele deu a você a possibilidade de tocar violino. Não deve lhe desobedecer e sim utilizar sua aptidão para lhe agradar. Tudo isso faz parte do seu grande plano.”

A menina pensou e pensou. No dia seguinte, ergueu-se cedo e retomou as longas horas de estudo do seu violino.

O esforço é lei da vida. Todos os seres, de uma forma ou de outra, não podem fugir a isso.

Mecanismo de evolução, promove o progresso, estimula a experiência.

Graças ao esforço os homens se enriquecem emocional, cultural, artística e economicamente.

Não houvesse esforço e a vida permaneceria nas suas expressões primitivas, iniciais.

Tudo trabalha e se esforça em a natureza.

Os ventos e as chuvas realizam o seu esforço na erosão dos montes e da crosta terrestre.

A gota d`água, no seu cair sem parar, cria as belezas que nos deslumbram os olhos nas grutas, no silêncio das furnas, promovendo formas curiosas e especiais.

Onde se apresente o esforço, floresce a paz. E onde a ação movimenta o progresso, vibra a alegria.

Você sabia?

Que a grande cantora madame Ernestine Schumannheink durante um dos seus concertos vacilou e falhou?

E que mesmo assim, corajosamente dominou-se e foi até o fim?

E assim a “maravilhosa dama” como era chamada nos últimos anos, continuou cantando em concertos e no rádio, prosseguindo como os pássaros a espalhar alegria entre os homens.

 

Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita, com base nos livros Perfis da vida, cap. Perfil do esforço, e Remotos cânticos de Belém a Calhandra.

Envelhecer com Sabedoria!

senhora

Helena teve cinco filhos. Foi mãe muito jovem. Passou boa parte da vida cuidando das suas crianças, que tão rapidamente tornaram-se adultos. Agora eram os netos que enchiam a casa de risos e correria. Um dia, quando os afazeres já não eram tão numerosos e o tempo parecia passar mais lentamente, ela viu-se diante do espelho da sala. Deteve-se. Deus do céu!

Quem era aquela velhota que estava no reflexo do espelho? Ou melhor, onde fora parar a jovem mulher que ela ainda sentia existir em sua intimidade? Estaria aprisionada em uma carcaça envelhecida? Como era possível isso? Cobriu a face com as mãos e sentiu a pele enrugada. Mexeu nos cabelos e procurou encontrar fios negros. Tarefa difícil. Restavam tão poucos. As mãos também não pareciam mais com aquelas mãos operosas que tanto produziram ao longo da vida.

Ora, ora! Então era isso! Distraída em viver, ela não havia se dado conta que os anos haviam passado rapidamente. Marcaram seu corpo, alteraram sua fisionomia. Seu fôlego já não era mais o mesmo. Nem seus movimentos que, antes ágeis, agora eram imprecisos e lentos. Mas enquanto observava a transformação ocorrida, Helena percebeu que o brilho de seus olhos permanecia igual. Reconhecia em seu olhar o mesmo olhar de seu passado…

As vivências transformaram a jovem que ela fora em uma mulher muito mais sábia. Seu corpo não era mais tão vigoroso, mas sua alma era muito mais forte do que havia sido antes. O mesmo tempo que lhe trouxera rugas havia lhe oferecido experiência. Ontem, jovem e bela, impetuosa e impaciente. Hoje, madura e envelhecida, tolerante e compreensiva. Helena olhou-se e sorriu…

Adoraria ter a pele um pouco mais lisa, mas sabia que não era isso que a faria feliz. Sabia que a decadência do corpo não representava prejuízo algum a sua alma vibrante e disposta. As marcas que o tempo fizera em seu corpo eram apenas para sinalizar o passar dos dias e as constantes mudanças da vida. Vida essa que não se acaba nunca, nem mesmo quando os corpos envelhecidos deixam de funcionar.

Helena sentiu o coração encher-se de alegria. “Melhor do que nunca!” – disse para si mesma – “a cada dia que passa eu me sinto melhor do que nunca!”

Celebre a vida todos os dias. Celebre o fato de dispor de um corpo, seja ele jovem ou não, que lhe possibilita mais essa experiência na Terra. Agradeça ao Criador pela dádiva da existência.

Aproveite seus minutos, seus dias, sua vida. Aproveitar, no entanto, não significa exaurir as forças vitais pelos excessos de toda a ordem. Aproveitar quer dizer, em verdade, fazer bom uso, dar utilidade.

O corpo físico, invólucro perecível de nossas almas imortais, deve ser tratado com o zelo que garanta sua utilização adequada. Mas sem neuroses ou preocupações descabidas, mesmo quando a juventude for apenas a lembrança de mais uma etapa superada. Envelhecer de forma sábia é reflexo de se viver bem. Pense nisso, e viva com sabedoria…hum rum !

Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: