Mensagens de Otimismo

Podemos construir um mundo melhor!

Arquivo para a categoria “Reflexões”

Bem de Todos!

felicidade

Todos os bens fundamentais da existência fluem, generosos, da natureza, a benefício de todas as criaturas. A luz que se derrama do firmamento não é patrimônio particular. As correntes aéreas são agentes alimentícios inesgotáveis. Mares amigos banham todos os continentes. Correm fontes em todas as direções. Surgem plantas para todos os climas. E, no próprio corpo, o sangue há de circular, incessante, para que a inteligência possa viver.

Não retenhas, assim, os valores que entesouraste. Não desconheces que o pão excessivo é o prato do vizinho em necessidade. Entretanto, há diferentes recursos por dividir. Ladeando mesas fartas, há corações semi-sufocados no desespero. Por trás dos gestos que te golpeiam, há tramas obscuras de obsessão. Na retaguarda dos crimes que terevoltam, há influências que não desvelas, de pronto. Quem errou sofre estorvos que te escapam à senda. Quem calunia ou persegue ignora o que sabes. Descerra as portas do coração para compreender e servir, repartindo os bens que ajuntaste no espírito.

A felicidade, para ser verdadeira, deve ser partilhada. O ouro, nas mãos de um só homem, é moldura da sovinice, mas passando para outras mãos é trabalho e beneficência. O conhecimento isolado é lâmpada sem proveito; contudo, transitando, de cérebro em cérebro, é ciência e cultura. Entre as sombras dos que reclamam e azedam, malquistam e ferem, sê a luz que abençoa sempre. “Faze ao outro o que desejas seja feito pelo outro a ti próprio” – dia a Lei. Isso quer dizer que alguém, para ser feliz, precisa ajudar alguém. Felicidade, no fundo, é bondade crescente, para que a alegria se faça maior. E, sem dúvida, todos nós podemos dividir parcelas de bondade e alegria, mas a multiplicação vem dos outros.

Do Livro Justiça Divina – pelo espírito Emmanuel, psicografado por Francisco Cândido Xavier.

VEJAMOS ISSO

“Porque o Cristo me enviou, não para batizar, mas para evangelizar; não em sabedoria de palavras, para que a cruz do Cristo se não faça vã.” – Paulo (I CORÍNTIOS, 1:17.)

evangelizar

Geralmente, quando encarnados, sentimos vaidoso prazer em atrair o maior número de pessoas para o nosso modo de crer.

Somos invariavelmente bons pregadores e eminentemente sutis na criação de raciocínios que esmaguem os pontos de vista de quantos nos não possam compreender no imediatismo da luta.

No primeiro pequeno triunfo obtido, tornamo-nos operosos na consulta aos livros santos, não para adquirir mais vasta iluminação e, sim, com o objetivo de pesquisar as letras humanas das divinas escrituras, buscando acentuar as afirmativas vulneráveis de nossos opositores.

Se católicos romanos, insistimos pela observância de nossos amigos à frequência da missa e dos sacramentos materializados; se adeptos das igrejas reformadas, exigimos o comparecimento geral ao culto externo; e, se espiritistas, buscamos multiplicar as sessões de intercâmbio com o plano invisível.

Semelhante esforço não deixa de ser louvável em algumas de suas características, todavia, é imperioso recordar que o aprendiz do Evangelho, quando procura sinceramente compreender o Cristo, sente-se visceralmente renovado na conduta íntima.

Quando Jesus penetra o coração de um homem, converte-o em testemunho vivo do bem e manda-o a evangelizar os seus irmãos com a própria vida e, quando um homem alcança Jesus, não se detém, pura e simplesmente, na estação das palavras brilhantes, mas vive de acordo com o Mestre, exemplificando o trabalho e o amor que iluminam a vida, a fim de que a glória da cruz se não faça vã.

Do Livro Pão Nosso, pág. 287, pelo espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

TAREFAS

tarefas

Os espíritos puros desempenham missões gloriosas: contudo, embora as imperfeições que ainda nos assinalam, todos temos função pessoal e intransferível nas engrenagens do mundo.

Não te afirmes à margem, nem te dês por inútil.

Não alegues impedimento, nem desertes da atividade que a vida te reservou.

Repara as lições que vertem, silenciosas, do livro da natureza.

Se os vermes parassem de trabalhar, por se reconhecerem insignificantes, o solo ressecar-se-ia, infecundo, incapaz de solucionar os problemas humanos.

Se as sementes invejassem a posição das árvores maduras e generosas que lhes presidem à espécie, desistindo, por isso, do esforço obscuro na germinação e no crescimento, em pouco tempo a esterilidade anularia os recursos da Terra.

Se as papoulas deixassem de produzir, revoltadas contra aqueles que lhes deturpam a essência nos mercados do ópio, deixariam de aliviar as dores do enfermo desesperado.

Se as fontes singelas fugissem de sustentar os grandes rios e as grandes represas, a pretexto de se notarem humildes, ante as grossas correntes que lhes formam a imensidade, o homem não contaria com esse ou aquele maior cabedal de força.

Honremos o posto de ação em que fomos localizados.

Diante da Lei, não há serviço aviltante.

As mãos que assinam decretos não vivem sem aquelas outras que preparam a mesa.

Os braços que conduzem arados são apoios daqueles outros que movem as máquinas poderosas.

Suor na indústria é sustento de todos.

Asseio na rua é proteção à comunidade.

Não vale amontoar rótulos passageiros, nem atabalhoar-se com muitos compromissos ao mesmo tempo.

Importa, acima de tudo, fazer bem o que se deve fazer!

Do Livro Justiça Divina (por Emmanuel, psicografado pro Francisco Cândido Xavier)

Não Tiranizes

Jesus-discipulos

“E, com muitas parábolas semelhantes, lhes dirigia a palavra, segundo o que podiam compreender.” (Marcos, 4:33.)

Na difusão dos ensinamentos evangélicos, de quando em quando encontramos pregadores rigorosos e exigentes.

Semelhante anomalia não se verifica apenas no quadro geral do serviço. Na esfera particular, não raro, surgem amigos severos e fervorosos que reclamam desesperadamente a sintonia dos afeiçoados com os princípios religiosos que abraçaram.

Discussões acerbas se levantam, tocando a azedia venenosa.

Belas expressões afetivas são abaladas nos fundamentos, por ofensas indébitas.

Contudo, se o discípulo permanece realmente possuído pelo propósito de união com o Mestre, tal atitude é fácil de corrigir.

O Senhor somente ensinava aos que o ouviam, “segundo o que podiam compreender”.

Aos apóstolos conferiu instruções de elevado valor simbológico, enquanto que à multidão transmitiu verdades fundamentais, através de contos simples. A conversação dEle diferia, de conformidade com as necessidades espirituais daqueles que o rodeavam. Jamais violentou a posição natural de ninguém.

Se estás em serviço do Senhor, considera os imperativos da iluminação, porque o mundo precisa de servidores cristãos e, não, de tiranos doutrinários.

(Do livro ‘Pão Nosso’ – Emmanuel/Chico Xavier.
9ª ed.FEB.1982.lição nº 143.págs.297/298).

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: